As pessoas que cuidam da saúde bucal tendem a ter uma saúde geral melhor.

Pois, a perda precoce de dentes, o mau posicionamento dentário, a dor nos mesmos, o sangramento gengival e mobilidade dentária interferem de forma direta na qualidade da alimentação do indivíduo.

Por desconforto ou insegurança na mastigação, muitas pessoas passam a se privar da vida social com o objetivo de evitar possíveis constrangimentos.

 

Mas, além da vida social, o paciente passa a correr riscos como: doenças gengivais instaladas estão relacionadas a partos prematuros, as infecções dentais podem levar à endocardite bacteriana (um quadro que se agrava em pacientes com baixa imunidade e pacientes cardíacos ao ponto de levar à morte).

 

E também, em outros estudos, foi comprovado que a presença de cárie dental está ligada a lesões musculares frequentes em atletas.

As pessoas não relacionam que a saúde bucal afeta diretamente o restante do corpo, por isso conscientização é essencial para a melhora da saúde bucal e da saúde geral.

Visitar seu dentista ajuda em diagnósticos precoces

Ao procurar um dentista, o mesmo avalia problemas relacionados às estruturas da boca, incluindo dentes, gengivas, mucosas e ossos. Muitos dos problemas bucais ocorrem por causa de fatores genéticos ou mesmo por complicações de saúde, traumas ou desgastes naturais.

A visita ao profissional possibilita que o mesmo identifique muitas doenças em estágios iniciais, como o câncer bucal, bruxismo, sinais de desgaste dental devido a doenças como bulimia, entre outras.

 

Por isso, agregar mais cuidados e atenção com a saúde bucal no seu cotidiano só tende a melhorar a sua qualidade de vida de forma geral.

As futuras mamães também precisam ter cuidado

A higiene bucal durante a gravidez é muito importante. Durante a gestação, é comum ocorrer sangramentos na gengiva, devido às alterações hormonais.

No entanto, a gengivite e a periodontite maternas podem ser um fator de risco para o nascimento prematuro e outros resultados adversos da gravidez.

Por isso, é necessária a realização do pré-natal odontológico, na busca de cuidado para que o possível surgimento de doenças como gengivite gravídica não prejudique os dentes e a gengiva das futuras mamães e seja mais um fator que poderá gerar partos prematuros e nascimento de bebês com baixo peso.

O diabetes não está fora dessa

As doenças bucais são riscos para a saúde dos dentes de qualquer pessoa. Porém, para quem tem diabetes esse problema fica cada vez maior.

Alguns estudos relataram a relação da doença periodontal com o diabetes, de forma mútua. Ou seja, o diabetes aumenta as chances de que o paciente sofra de periodontite, mas o tratamento odontológico pode auxiliar o controle metabólico dos diabéticos, influenciando inclusive a sensibilidade à insulina.

Por isso, quem tem este problema é importante tratar não só do sorriso, como também do controle de açúcar do sangue.

No tratamento do câncer

Procedimentos como quimioterapia e radioterapia, empregados em pacientes oncológicos, fragilizam a imunidade e podem aumentar o risco de gengivite. Dessa forma, os cuidados periodontais têm importância crucial em pessoas com câncer e podem representar um diferencial considerável na qualidade de vida. O ideal é que o acompanhamento da saúde da boca ocorra antes, durante, e após o tratamento oncológico na busca de minimizar a probabilidade de infecções orais.

 

Em qualquer das situações mencionadas, a melhor escolha é a prevenção.